RENASCITUDES

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Ferida da Alma


É quando o coração esmagado
Rompe com a estação do riso
Chora a dor no silêncio inabitado
Faz da morte seu atual paraíso.

É quando o olhar se volta pra dentro

No mais ébrio estado de entrega
O eu, de tudo se torna o centro
E a vida externa se faz de cega.

É quando a natureza ganha valor

Como companheira que sabe ouvir
Interrogamos um simples voador
Como voar tão alto pra não sentir?...

É quando o corpo perde a poesia

Pés, braços e tronco no mesmo nó
Amarras fortes gerando paralisia
E ao mesmo tempo cada um tão só.

É quando a força sanguinolenta

Rompe a pele pedindo socorro
E a alma queimando feito pimenta
Deixa-se incendiar por um esborro.

É quando não findam noite e dia

As horas batem latejando a ferida
O sol passa longe, mas arrepia
A alma engrena, mas não dá partida.

Autoria: Ilka Vieira


4 comentários:

  1. E sua dor virou poesia..
    bjs
    TT D´Oliveira

    ResponderExcluir
  2. É mesmo, concordo com a leitora acima, sua dor virou poesia e sua poesia cresce a cada dia, porque é franca e rica! Continuo fã dos teus poemas, felizmente achei teu blog, porque se for depender de ti que o divulgues não vai acontecer. Lembro-me que disseste-me um dia: - Escrevo pra mim e não para me promover; escrevo porque cada batida do meu coração é uma letra que precisa sair do cérebro embrulhadinha na emoção. Nunca esqueci isso, acredito em ti.
    Abraço do amigo de sempre,
    Guilherme Rozack

    ResponderExcluir
  3. É quando a dor se faz presente continuamente. É quando sentimos invasores se aproximando e buscamos forças, mesmo sem condições para tentar vencê-los. Ferida na alma dói mais que a dor física.
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Ilka Vieira, há muito tempo não sei de ti, mas tenho lindas recordações de um tempo em que exercitávamos a poesia em parceria. Ah que tempo belo e tomado de sonhos!
    Hoje, nada escrevo, apenas sinto, acho que meu coração optou por rascunhar, só rascunhar... Mas me fazes muita falta, principalmente quando leio esse poema "Ferida da Alma", tão bem escrito por ti que entende de alma como poucos. Poeta querida, admirável poeta Ilka Vieira, é impossível passar por alguma fase da tua vida e esquecê-la, ainda que essa fase esteja muito lá atrás é doce, é substancial conservar a magia com que Ilka Vieira leva as letras a criarem, voz, cor, estado de espírito, cheiro, morte e vida....
    Eu aprendi que do teu sorriso poderá vir a mais profunda paisagem de tristeza; eu aprendi que do teu olhar triste poderá vir a maior abrangência de esperança, coragem, sol e Vida!
    É este, um momento mágiio pra mim, reencontrá-la foi como achar um tesouro muito bem escondido esperando por mim.
    Meu carinhoso abraço pra ti que certamente já está entre poetas imortais.
    Maria Alice Borges (Niterói - RJ)

    ResponderExcluir